CONTADOR DE VISITA

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Por que os Críticos Anti-Muçulmanos Estão Errados Sobre os Assassinos de Charlie Hebdo


Até agora, você provavelmente já ouviu todos os detalhes do massacre daCharlie Hebdo em Paris. Mas apenas no caso de você não ter ouvido, iremos lhe satisfazer. Na quarta-feira, dois homens armados e mascarados invadiram a sede da revista Charlie Hebdo em Paris, matando dez empregados, incluindo o editor chefe da revista. A revista era bem conhecida localmente por suas charges que chamam a atenção, as quais muitas vezes procuravam ofender os facilmente ofendívels - ou seja, os muçulmanos.

Assim, não foi nenhuma surpresa para muitos que os autores do massacre foram dois extremistas muçulmanos, supostamente bradando que haviam vingado Mohammed após cometer o ataque. Os assassinos conseguiram escapar do centro de Paris para os subúrbios, onde eles fizeram reféns em uma negociação que durou quase dois dias. Enquanto escrevo isso, os relatos estão chegando que eles foram mortos pela polícia francesa.

É difícil quantificar a tragédia. A matança dessas doze pessoas é horrível e deve ser condenada. Mas, como um outro artigo neste site aponta, no mesmo dia durante os tiroteios em Paris, um carro-bomba no Iêmen matou 30 pessoas. Isso é tão ruim, ou pior? E sobre as multidões de pessoas ao redor do mundo que morrem todos os dias de desnutrição, doenças ou atos isolados de violência, não é o sofrimento deles tão ruim quanto? Ou ainda mais, as vítimas de injustiça em qualquer lugar não merecem uma opinião em debate público?

Mas, embora a maioria (se não todas) as tragédias sejam difíceis de quantificar, algumas delas são fáceis de interpretar. O assassinato de Charlie Hebdo certamente foi. Imediatamente após os trágicos acontecimentos começaram a se revelar, os meios de comunicação e figuras influentes em todo o mundo imediatamente pareciam saber como interpretá-la. Para muitos, foi um duro golpe para a liberdade de expressão - embora alguns na mídia justamente salientaram que a liberdade de expressão, especialmente a sátira,é sempre uma questão complicada.

Mas certas figuras públicas na Europa e nos EUA adicionaram uma repulsiva, embora previsível, onda de islamofobia na briga. Na esteira dos assassinatos, a política francesa de extrema direita Marine Le Pen imediatamente tomou proveito da situação (o site Slate comentou que ela viu este momento como o seu "caminho para a vitória"). O anti-imigrante do Reino Unido Nigel Farange o usou como uma desculpa para criticar o "multiculturalismo". E nos EUA, os comentaristas da Fox News aproveitaram a oportunidade para mais uma vez chamar Obama de compassivo em relação ao terror, incluindo as referências obrigatórias a Benghazi.

E, para o desespero dos inclinando a ateus, as pessoas não-religiosas, os ateus proeminentes foram todos felizes se juntar a esse frenesi. Após o ataque, Richard Dawkins publicou uma série de tweets que vêm perigosamente perto de se igualar a acidez de direita do grupo Fox News.

Apesar de fazer quase uma década desde que os "novos ateístas" ganharam destaque, os conflitos sobre a religião que trouxeram a eles a sua fama ainda estão vivos e bem. E Dawkins e seu par intelectual Sam Harris parecem contentes de respondê-las com a grosseira Islamofobia.

Esta Islamofobia, note-se, resulta de uma linha um pouco complexa de raciocínio. Conforme Sam Harris salientou repetidamente em uma entrevista de bate-boca depois de sua briga com Ben Affleck no ano passado, que "as crenças importam". Em minha opinião sobre esse evento, eu concordei, mas só até certo ponto. Sim, é verdade que a maioria se não todas as pessoas que se apresentam como membros de uma determinada religião (neste caso, o Islã) têm crenças comuns. Mas nem todos os muçulmanos realizam as ações que o seu sistema de crenças (supostamente) diz a eles para fazer. Da mesma forma, uma boa dose de suas ações descendem de motivos que nada têm a ver com a sua doutrina muçulmana.

Mas quando eu publiquei esse artigo, eu recebi uma enorme quantidade de respostas me criticando por não levar em conta certas passagens específicas no Corão visto como "mais violentas" do que qualquer coisa no cristianismo ou qualquer outra religião, e concluindo assim, que todos os muçulmanos eram inerentemente mais violentos do que todos os outros religiosos. Esta poderia ser uma crítica justa, mas somente se o Islã não fosse uma religião, mas sim um programa de computador, e seus adeptos robôs em vez de pessoas - uma situação em que a visão de Harris de que as "crenças importam" parece implicar. Há apenas um problema: os seres humanos, incluindo os muçulmanos, não são robôs.

Sim, as crenças importam. As crenças religiosas têm um efeito sobre como as pessoas agem, e em muitos casos o efeito é negativo. Mas há outras crenças que triunfam mesmo nas crenças religiosas: as crenças sobre o que fazer para sobreviver e viver uma vida produtiva como membros de nossas comunidades. Em situações de escassez, perseguição e desesperança, quando as necessidades práticas não são cumpridas, o fanatismo religioso torna-se mais atraente. Este foi o meu ponto central em meu artigo anterior, e embora eu o ofereci no contexto da situação a respeito do ISIS, isso se aplica a França também.

Costuma-se dizer da liberdade de imprensa, uma das questões centrais deste assassinato, que é realmente um problema quando a liberdade de imprensa é usada para dizer coisas desagradáveis ​​ou perturbadoras (algo que Charlie Hebdo parecia ser muito bom em fazer). Mas o mesmo pode ser dito da liberdade de religião. Sim, os assassinos mereciam ser levados à justiça. Mas isso não significa que os muçulmanos não implicados no assassinato devem ter sua liberdade religiosa tirada, ou que merecem ser perseguidos.

Nesta história, há um pouco de esperança, embora uma esperança que nasce de uma das mortes trágicas. Dos doze mortos, um era um muçulmano moderado: Ahmed Merabet. Sua morte gerou a hashtag no Twitter#JeSuisAhmed, chamando a atenção para o fato de que a maioria dos muçulmanos não são de fato assassinos enlouquecido, mas simples cidadãos.

Nenhum comentário: